30 de janeiro de 2012

Campos e o Dia do Quadrinho Nacional

Já é bastante frustrante não poder me dedicar plenamente ao que realmente gosto de fazer. Já é bastante frustrante ter que ficar mais de 15 horas escrevendo e apurando coisas que eu só gostaria de fazer como hobby, e não poder me dedicar ao que realmente quero fazer e nem dedicar o tempo que eu gostaria. Mas, não tem jeito, alguém tem que pagar as contas.

Como se já não bastasse não ter tempo para ler minhas revistas, escrever minhas resenhas, e produzir minhas tirinhas, HQs e personagens, ainda tenho que aguentar o descaso de Campos, minha cidade, com a nona arte. Não tenho nada contra Campos, não acho um lugar ruim, não acho que é um fim do mundo ou um lugar sem solução. Apesar de estar distante de todos os grandes acontecimentos - convenções, shows, feiras e etc - gosto de minha cidade e da vida que levo aqui. Sei até onde posso andar e pra onde posso ir. Vou para o (os) trabalho (s) a pé ou de bicicleta, posso me dar ao luxo de voltar pra casa na madrugada sem me preocupar com guerra de quadrilhas ou balas perdidas, mas... sempre tem um "mas" não é?
Pois é, o descaso dessa cidade com os quadrinhos sempre me deixa triste. Ouço de jornalistas, meus colegas de profissão - alguns que se formaram comigo -, chamar as histórias em quadrinhos de "revistinhas", "coisa de criança", "revista de bichinhos" e por aí vai. Quase ninguém vê o valor dos quadrinhos e quando falam do assunto no Facebook, por exemplo, ou em outros locais, sempre são solícitos, defendem a nona arte e repetem o mantra: "essa é uma importante ferramenta de comunicação", tudo para parecer cool diante da grande rede, mas na hora de dar um espaço para novos quadrinistas, para novos artistas, para as tirinhas, ilustrações e HQs, dentro dos veículos em que trabalham, o discurso muda de tom. Ninguém se lembrou do Dia do Quadrinho Nacional hoje, na verdade não é que não se lembraram, eles não sabiam que existia. Mesmo que eu todo ano repita a mesma ladainha, ninguém se lembrou.
Em Campos existem dois grandes jornais (eu trabalho em um deles) e uma infinidade de blogs. Ninguém escreveu uma linha sobre o assunto. Nem mesmo os "editores" de cultura que pautam os seus cadernos baseados no calendário: Dia do Médico, Dia do Padeiro, Dia de São Judas, Dia do Torneiro Mecânico... nem mesmo esses editores deram uma olhadinha no Dia do Quadrinho Nacional. E não é por falta de personagem, pois Campos tem dezenas de bons artistas, aliás excelentes artistas, que produzem suas histórias, ilustrações e personagens em sites e blogs. Mas não é o bastante para ocupar uma página, uma matéria ou uma nota em algum jornal ou blog de Campos. Bom mesmo é o show de axé na praia do Farol de São Thomé ou Grussaí; ou o cantor evangélico que vai fazer uma apresentação não sei onde; ou ainda o trio elétrico dos infernos que vai passar arrastando uma multidão de bêbados e desocupados atrás daquele ruído.
Pois é, mais um ano se passou e nem uma linha sobre o Dia do Quadrinho Nacional. Desde 2007 eu venho tentando pautar essa matéria e não consegui. Fazer o quê... Prometo que foi a última vez que cobrei isso da imprensa/mídia local, não vou mais alugar o espaço e o tempo de ninguém falando disso, mas é hora de pensar no que realmente vale a pena ser publicado e no valor que a gente dá aos nossos artistas locais.

Em tempo: o blog do amigo Milton Kenedy (olha o blog dele aqui), ilustrador e quadrinista fez uma postagem sobre o tema. Mas Milton é do ramo e não é de Campos... claro; o colunista social Carlos Frederico (olha o blog dele aqui) vai publicar em sua coluna no Jornal O Diário (sai na terça-feira, dia 31) uma nota sobre o meu desabafo no Facebook. E foi só isso...

A primeira ilustração é do blog quadrinhos do Pedro de Luna, e a segunda nem preciso dizer...

3 comentários :

Milton Kennedy disse...

Olá Cássio, fiquei surpreso com a citação de meu tosco blog. Brigadão cara!

É eu recordo-me de sua indignação na postagem de 1º de fevereiro de 2011. O amigo Velos até vez um oportuno comentário. Pena que de lá pra cá as coisas ainda não mudaram... mas tudo tem seu tempo.

Grande abraço e muita paz!

=D

PRMoSA disse...

Lamentável. Não que a grande mídia faça referência anual a data mas ainda assim em algum momento já a fizeram.

Beralto disse...

Cássio,
Ainda bem que temos você como raro espécime campista que aprecia, produz e defende os quadrinhos em nossa cidade. Não desista, a gente precisa de jornalistas como você defendendo esta causa.