24 de dezembro de 2010

Natal, quadrinhos e as legendas do Terra

O mau amigo Paulo Mosa, leitor deste mucufo me enviou algumas capas de revistas em quadrinhos com temas natalinos. O portal Terra apontou as capas como "bizarras". Segundo o site, a reportagem é da revista Maxim que elegeu em seu site as dez capas de revistas de super-heróis com temática natalina mais bizarras. Concordo que algumas são mesmo muito toscas, como a capa onde Robin está se equilibrando tentando colocar uma estrela na ponta da árvore de Natal, ou ainda a capa onde o Superman tenta ajudar o Papai Noel entalado a descer pela chaminé - essa é a pior -, mas acho que ao chamar algumas capas de bizarras cometeu injustiças com algumas histórias que são muito boas. Outra bola fora do Terra foram as legendas babacas criadas, algumas, para não dizer quase todas, não têm absolutamente nada a ver com o conteúdo da história ou com o que a capa quer dizer realmente.

Outra boa história, e talvez a melhor de todo esse apanhado do Terra, é a dos X-Men #143 que aqui no Brasil saiu na extinta revista da editora Abril Superaventuras Marvel. A história mostra um monstro da Ninhada - muito parecido com o Alien do cinema - entrando pela chaminé na noite de Natal dentro da Mansão X, lar dos X-Men, o problema é que na hora da visita apenas a jovem Kitty Pride, recém-chegada ao grupo, estava na casa. John Byrne foi o responsável pelos desenhos e pelo argumento de uma história emocionante - não para derramar lágrimas, não confundir ação com emoção - que no Brasil, salvo engano, ganhou a chamada de "O Batismo de Fogo de Kitty Pride".
Injustiças à parte, a seleção da Maxim resgatou capas histórias e lembrou de histórias muito legais, clique aqui e veja você mesmo, mas por favor, ignore completamente as legendas, pois o idiota do portal Terra que as escreveu não deve entender bulhufas de quadrinhos, ou achou que seria engraçado escrever aquelas besteiras.

1 comentários :

PRMoSA disse...

Achei que você iria gostar mesmo. As da DC de 1900-e-vovô-tava-no-ginásio são muito toscas. Mas me surpreendeu você não comentar a história do Lobo. Aposto que é uma de suas preferidas. hehehehehe