31 de março de 2008

Música não se faz com a bunda


Mulher Melancia, Jaca, Morango e agora Mulher Filé. Faz tempo que as mulheres que surgiam no meio musical despontavam para o sucesso porque sabiam cantar ou tocar algum instrumento. Há algumas décadas era inimaginável ver mulheres como Sheila Carvalho, Sheila Melo, Carla Perez, mulher isso ou mulher aquilo, fazendo sucesso e estampando capas de revistas como se fossem musicistas.
Não são nada. São mulheres bonitas, de corpos esculpidos a tesoura, bisturi e silicone. Mas de música não entendem nada. É uma afronta aos músicos que precisam de espaço na mídia, de músicos sérios que fazem um trabalho de qualidade, mas que não tem espaço por que um bando de idiotas se aglomera na frente de um palco para ouvir uma batida repetitiva (que alguns ignorantes chamam de funk) e duas mulheres semi-nuas balançando os glúteos. Em pouco tempo a bunda da Mulher Melancia tomou conta dos noticiários (e dos cadernos de cultura) por que estava brilhando mais do que o funkeiro que a havia lançado para o estrelato.
E ainda há quem defenda, quem acredite que a “Dança do Créu” e outros modismos que vêm e vão, é o mais puro funk. Que James Brown, Quincy Jones, Tony Tornado e Wilson Simonal não nos ouçam, por que se ouvissem iriam vomitar. O que se faz hoje com o funk é um crime: músicos despreparados, DJs que pensam que são músicos, cantores que pensam que sabem cantar, dançarinas que mais parecem garotas de programa e o que é pior, um monte de gente que alimenta a indústria comprando CDs piratas e pagando de dez a vinte reais para assistir a um espetáculo deprimente.
O que faço aqui não é uma crítica social, mas uma crítica cultural, pois no mesmo lugar onde nasceu o funk nacional (que definitivamente não é funk) nasceu também o samba, o partido alto, a bossa nova e o pagode. Expressões legítimas de nossa cultura e, principalmente, feitas por músicos de verdade e compositores de verdade. Para cantar samba, pagode e partido alto, tem que saber cantar, saber tocar. Não dá pra entrar com uma mulata sambando se não houver samba de verdade como pano de fundo. O que se vê no funk de hoje é um monte de mulheres com bundas enormes como contraponto a uma música que mais parece um ruído ou um defeito de equipamento. Música que transformou mulheres em semi-deusas e DJs medíocres em ídolos.
Estou certo de que existem lugares melhores para mostrar a bunda, as revistas Sexy e Playboy estão de braços abertos para receber as mulheres melancia, jaca, morango, filé e qualquer outra que se atrever a balançar o traseiro na TV. E quem não gosta de olhar? Quem não gosta da bunda da Mulher Melancia? Todo mundo já babou pela Sheila Carvalho no extinto É o Tchan (um dos culpados pela proliferação de bundas na música do Brasil), todo mundo viu as suas fotos na Playboy e todo mundo vai ver de novo se elas saírem por lá. Assim como já estamos todos esperando pelas fotos da Mulher Melancia nas próximas edições da revista. E é claro que vamos ver! E vamos gostar de ver! Mas confundir isso com música é um erro imperdoável.
As dançarinas do Créu, do Mr Catra, as meninas do É o Tchan, as chacretes do Chacrinha, e todas as coadjuvantes que usam a música para a aparecer, não são profissionais da música, não são dançarinas, bailarinas ou outra coisa do gênero. Não são nada. Não possuem carteira da Ordem dos Músicos do Brasil e tampouco possuem passagens por escolas de dança. São oportunistas, que andam a tiracolo de outros oportunistas, que como não sabem cantar e nem tocar instrumento algum, arrotam coisas como “Créu” e inacreditavelmente são seguidos por uma multidão de imbecis que fazem a mesma coisa e chamam de diversão... se divertir é aceitável, você pode se divertir com o que quiser, tem gente que se diverte com a mão, mas chamar isso de música... isso é inadmissível. Tirar o espaço de músicos de verdade, isso é inadmissível. Música não se faz com a bunda, música se faz com a alma, com o coração e com a mente.

2 comentários :

Júlio disse...

SOU MÚSICO... NÃO SOU DOS BONS... MAS CORRO ATRÁS PRA ISSO... A UNS DIAS ATRÁS UMA DANÇARINA DE DANÇA FLAMENCA... TEVE A CAPACIDADE DE DIZER QUE O FUNK CARIOCA TINHA MUSICALIDADE... PUTZ!!!!
E AINDA FOI MAL EDUCADA COMIGO QUANDO EU TENTEI ARGUMENTAR SOBRE O FUNK.. FALTOU APONTAR O DEDO NA MINHA CARA... MAS ATÉ AI TUDO BEM... NÃO PODERIA ESPERAR OUTRA COISA DELA.... AINDA BEM QUE TINHA ACABADO DE CONHECE LA... E FOI BOM... PARA QUE EU PUDESSE ESCOLHER BEM AS PESSOAS QUE QUERO AO MEU REDOR....
LI SUA OPINIÃO SOBRE TODA ESSA PORCARIA QUE NOS SÃO EMPURRADAS COMO MUSICA... E CONCORDO PLENAMENTE COM VOCÊ.....
VOU IMPRIMIR SEU TEXTO E QUEM SABE UM DIA EU POSSA COLOCAR NAS MÃOS DELA... PARA QUE ELA LEIA...
DIGAM "NÃO" A MÚSICA QUE VEM PARA DENEGRIR O SER HUMANO....
UM ABRAÇO
JÚLIO CÉZAR
jcsbat@hotmail.com

Anônimo disse...

Ai seu texto ficou muito bom,retrata perfeitamente o que esta acontecendo com o mundo da musica.Vou imprimir o seu texto e divulgar na minha comunidade no orkut
flw