4 de janeiro de 2013

Literatura campista em quadrinhos


A idéia de publicar uma história em quadrinhos é antiga, e um sonho que acalento com muito carinho. Bom, vou contar então como nasceu esse projeto - o primeiro que será publicado - e da maneira que ele nasceu, desde o embrião.
Durante o mês de setembro de 2012 resolvi tirar do papel um dos projetos envolvendo quadrinhos que tenho guardado no fundo do meu HD. Tenho umas seis ou sete sinopses que ainda precisam ser trabalhadas, mas a publicação de cada uma delas, ou de todas elas é quase impossível, principalmente por questões financeiras.
Então tirei do HD um dos projetos e resolvi “vender o peixe” para o jornal O Diário. Sou responsável pelo projeto gráfico e pela diagramação de 90% das revistas lançadas pelo jornal então comecei a viajar na idéia de levar um desses projetos para uma dessas revistas.
Tenho em casa uma coleção chamada Literatura Brasileira em Quadrinhos, que saiu encartada no jornal O Extra e publicada pela editora Escala Educacional. Já havia ventilado a possibilidade de trazer essa idéia para o nosso quintal, pensei em várias histórias, em vários autores e então decidi que esse seria um projeto perfeito para levar para a direção do jornal. Resolvi então vender meu peixe.
Chamei meu amigo de sempre, Glauco Torres, que também trabalha no jornal, e apresentei pra ele o projeto. No mesmo dia conversei com a editora de cultura do jornal, Patrícia Bueno e logo depois com o chefe de redação, Hélio Cordeiro. Os dois concordaram, mas faltava a aprovação do diretor Fábio Paes. Consegui vender a idéia e o projeto foi aprovado.
Sinceramente, essa que foi a etapa mais fácil, pra mim seria a mais difícil. Fiquei feliz com a abertura e a certeza de que a mentalidade em relação aos quadrinhos está mudando. Hora então de colocar a mão na massa.
Escolhemos o autor Waldir Pinto de Carvalho por uma série de motivos, o maior deles era a peculiaridade de suas histórias e de sua linguagem "campistana". Eu sabia que teria um número limitado de páginas e também estaria brigando contra o tempo. Então, lendo e relendo sua obra, decidi que ele seria o autor certo para o projeto.
O segundo passo foi contatar a família do autor. A filha de Waldir, Walnize Carvalho, que também é escritora, foi o nosso contato e a ponte para as obras de Waldir de Carvaho, algumas que jamais haviam saído de sua casa. Me debrucei sobre os livros e manuscritos que a Walnize me confiou e levei um mês para definir qual seria a obra adaptada. Cheguei a conclusão de que Na Terra dos Heréos seria perfeita para esse projeto.
Escolhi cinco histórias dos três volumes e adaptei as cinco. Ainda fiz depois mais uma para deixar na reserva e hoje temos seis histórias dos livros Na Terra dos Heréos, prontas para se transformarem em histórias em quadrinhos.
Para esse pontapé inicial essa publicação terá duas histórias. A revista que sairá encartada no jornal O Diário no próximo dia 15 de janeiro terá mais ou menos (ainda não sei exatamente) 32 ou 36 páginas. Duas histórias estarão lá: a história do mentiroso Zé Felipe e do brincalhão Sabino Manhães, personagens das histórias de Waldir Pereira de Carvalho. Tratei as histórias com muito respeito e tentei ser o mais fiel possível ao texto original. Em alguns casos não mudei nada, em outros algumas correções foram necessárias, mas tudo está como o velho Waldir escreveu na década de 80 e 90.
Amanhã (ou daqui a pouco) vou postar alguns desenhos que o Glauco já preparou. Vou soltar pelo menos um ou dois desenhos hoje e mais uma página pronta na semana que vem. O desenho que está na abertura do blog é um dos quadros desenhados por Glauco, um dos primeiros, mas ainda está só no lápis.
Espero que esse trabalho não só dignifique ainda mais a obra do escritor campista Waldir Pinto de Carvalho, como também apresente o autor para as novas gerações.
Até lá vamos nos preparar para o lançamento! 

3 comentários :

walnize carvalho disse...

Amigo Cássio,
Ansiosa e feliz aguardo o dia 15 de janeiro!
Abraços,
Walnize

Alberto Souza disse...

Ao ler sua postagem iniciei desde já a expectativa de prestigiar tão importante iniciativa em prol da HQ em nossa cidade. Parabéns ao Glauco e a você Cássio! Mais uma vez você faz história. Que este primeiro passo favoreça novas publicações do gênero.

Neto Cordeiro disse...

Parabéns Cássio!!
Valorizar a cultura de nossa terra é para poucos. Tenho minhas restrições, do ponto de vista político, em relação ao jornal "O Diário", mas não se pode negar que foi uma tremenda bola dentro!!
Saudações Alvinegras